domingo, 30 de maio de 2010

Stokes Mortar

800px-Loading_Stokes_Mortar_Middle_East21515stokes_misc

Morteiro Britânico inventado por Sir Wilfred Stokes  colocado em ação à partir da segunda metade da guerra. Com uma brilhante simplicidade era composto de um tubo de alma lisa com cerca de 1,20 m de comprimento, plataforma e um bipé, que o tornou como projeto padrão para a fabricação de morteiros. Foi o morteiro mais utilizado pelas forças aliadas durante a guerra tendo, o exército Britânico, 1.636 unidades em operação no final do conflito. Apesar de simples era altamente eficaz podendo atingir uma cadência de tiro de, até, 25 projéteis por minuto com uma alcance de 700/800 metros em ângulo de tiro de 45º à -75º. Sua instalação era muito fácil e se adaptava muito bem nos pequenos ambientes das trincheiras necessitando de dois soldados para sua operação. O primeiro modelo fabricado era de 3 pol. , após surgiram modelos de 3,2 pol., 6 pol. e, mais tarde, de 9,45 pol. Este último ficava sob responsabilidade de unidades de artilharia.

Schwere Feldhaubitze 150 mm

3305319831_4e2b1e10c6_b 150mmGun 150

O Schwere Feldhaubitze 150 mm 13 (15 cm sFH 13), fabricado pelas empresas Krupp (2.676), Rheinmettal (733) e uma quantidade desconhecida pela empresa Spandau no período de 1913 à 1918, foi um canhão de campo pesado usado pelo Exército Alemão durante todo o período da guerra. Robusto e confiável proporcionou aos Alemães uma importante vantagem no início da guerra, pois os exércitos inimigos não possuiriam nenhuma arma desta categoria até o final do ano de 1915. Foi o primeiro modelo de obus pesado a ser equipado com um escudo frontal. Usado para o fogo de barragem, sua guarnição era composta de seis soldados mais o comandante.

Calibre: 149,7 mm
Comprimento: 2,54 m
Comprimento do Cano: 2,09 m
Peso: 2.250 kg
Peso do Projétil: 42 kg
Alcance Efetivo: 8.600 m
Cadência de Tiro: 3 p/min
Velocidade do Projétil: 381 m/s
Ângulo de Tiro: –4º à 45º, Transversal: 9º

A7V

Bundesarchiv_Bild_146-1971-092-24%2C_Westfront%2C_deutscher_Sturmpanzer Bundesarchiv_Bild_146-1974-050-12%2C_Westfront%2C_deutscher_Panzer_A7V GERMANTANK

Único tanque alemão produzido em série durante a Guerra, o A7V SturmPanzer-Kraftwagen entrou em combate apenas no final da guerra, em 1918, no período de março à outubro.Os Britânicos os apelidaram de “The Moving Fortres (Fortaleza Móvel)” devido à forma de seu casco; já os soldados Alemães o chamavam de “Monster”. Seu projeto ficou a cargo do capitão da reserva e engenheiro Joseph Vollmer e foram construídos pela Daimler-Motoren Gesellschaft. A tripulação era formada por 18 homens: Comandante, motorista, mecânico, mecânico/sinaleiro e doze soldados de infantaria (seis metralhadores e seis carregadores) e dois artilheiros para o canhão de 57 mm. Equipado com dois motores Daimler de 100hp/4cc, atingia uma velocidade máxima em estradas de 16 km/h, relativamente rápida comparado aos demais tanques da época. Porém sua capacidade de locomoção caia drasticamente quando se deslocava em terrenos off-r ad, com grandes chances de ficar preso em trincheiras, valas e terrenos com muita lama. Isto se devia a pouca distância entre o solo e seu chassi (40 mm) , seu design frontal e a largura de suas lagartas que eram muito curtas para seu tamanho. Outro agravante era que o motorista não tinha uma ampla visão, tendo um ponto cego em torno de 10 metros à frente do tanque. Seus pontos fortes eram: blindagem, o poder de fogo e a alta velocidade em terrenos abertos. O A7V foi usado pela primeira vez em combate no dia 21 de março de 1918 quando cinco tanques, sob o comando do Hauptmann Greiff, foram mobilizados ao norte do Canal St. Quentin. Três sofreram falhas mecânicas antes do início do combate, mas os dois restantes ajudaram a impedir um avanço britânico na área. Os A7V protagonizaram a primeira batalha entre tanques na história. Este embate ocorreu no dia 24 de abril de 1918 perto de Villers-Bretonneux/França, quando três A7V entraram em combate contra três Mark IV Ingleses resultando danos nos tanques de ambos os lados. Devido ao pequeno número de unidades produzidas (21) teve pouca influência no curso do conflito.

Peso: 30.000 kg
Comprimento: 7,34 m
Largura: 3,06 m
Altura: 3,35 m
Blindagem: 5-30 mm
Armamento Principal: 01 Canhão de 57mm, Cockerill-Nordenfelt
Armamento Secundário: 06 metralhadoras MG08/15 de 7,92mm
Autonomia: 60/70 km (estrada) - 30/35 km(off-road)

domingo, 23 de maio de 2010

Stiehlhandgranate

handgranade granade 480378_com_germangrenade310

 Utilizada pelo Exército Alemão, a Stielhandgranate foi introduzida em 1915 e seu projeto desenvolvido ao longo da guerra. Seu nome é devido a haste de madeira que tinha para aumentar a distância de arremesso. Por sua aparência foi apelidada pelos soldados Britânicos de “potato masher” (espremedor de batatas); é uma das armas de infantaria mais emblemáticas do século XX. Sua explosão ocorria após 3,5-7 segundos de seu acionamento. Seu explosivo era composto de: pólvora, perclorato de potássio, alumínio em pó e nitrato de bário, com uma raio de ação de 5m. Usada principalmente para ação de ataque era muito eficaz para eliminar defensores em pequenas seções nas trincheiras. Podiam ser  feitos “pacotes” com várias granadas e utilizadas para neutralizarem casamatas, bunkers entre outros tipos de fortificações. Esta arma foi muito utilizada pelas tropas de elite Alemãs, os Sturmtruppen, no assalto às trincheiras, provando ser uma combinação mortal para seus inimigos.

CARACTERÍSTICAS:
Peso: 480 g
Comprimento: 356 mm
Peso  do Explosivo: 165 g
Alcance: Era lançada a uma distância de até 30m

Minenwerfer

25cmMinenwerferCrewLoading107mm Germans_with_7_58_cm_anti-tank_minenwerfer_October minenwerfer_17cmTIII_10_37b                 deutsche_minen_und_granatenwerfer_6  

O Minenwerfer (lançador de minas) é uma classe de morteiros de curto alcance usados extensivamente durante a Primeira Guerra Mundial pelo exército alemão. Eram utilizados por tropas de engenheiros para destruir obstáculos como bunkers e linhas de arame farpado, os quais a artilharia de longo alcance, devido sua imprecisão, não destruíam. Os primeiros modelos eram simples, porém eficientes; compostos por um tubo de aço presos a uma armação leve, também de aço. A bomba era equipada com uma espoleta “All Ways” (qualquer direção) de modo que, independente da maneira como cairia, ela detonava ao impacto da queda. estes modelos simples, carregados pela culatra, logo, ao final de 1914 deram lugar a armas mais aprimoradas com sistema de recuo, conteiras, rodas, etc. Nesta linha foram produzidos os modelos: Leichter Minenwerfer de 75,8 mm, Mittlerer Minenwerfer de 107mm, Schwerer Minenwerfer de 250mm e também uma versão de 308 mm chamado de Sehr Schwerer Minenwerfer. O Minenwerfer era mais barato de fabricar, custando apenas um sétimo do preço de uma arma de artilharia, e suas munições também eram mais baratas. Uma vez que a velocidade inicial e, portanto, de choque de queima dos Minenwerfer era baixa, uma variedade de explosivos que geralmente seriam impróprias para o uso de artilharia foram utilizados por ele. Normalmente, os explosivos usados nos projéteis foram o nitrato de amônio-carbono. No entanto a sensibilidade dos explosivos fez com que detonassem, ocasionalmente, dentro dos tubos; houve um grande número destes incidentes, um dos quais causando a morte de Karl Völler, designer chefe da Rheinmetall em 1916. Esses problemas, no entanto, acabaram sendo superados. 

LEICHTER MINENWERFER 75,8 mm:
Peso: 147 kg
Peso do Projétil: 4,6 kg
Comprimento do Cano: 235 mm
Ângulo de Elevação: 45º à 78º
Ângulo Transversal: 7º
Velocidade de Projétil: 90 m/s
Alcance: 300 m (Efetivo) - 1.300 m (Máximo)

MITTLERER MINENWERFER 107 mm:
Peso: 483 kg
Peso do Projétil: 50 kg
Comprimento: 765 mm
Comprimento do Cano: 646 mm
Ângulo de Elevação: 45º à 90º
Ângulo Transversal: 25º
Velocidade Projétil: 200 m/s
Alcance: 300 m (Efetivo) - 1.600 m (Máximo)

SCHWERER MINENWERFER 205 mm:
Peso: 768 kg
Peso do projétil: 97 kg
Comprimento: 1.250 mm
Comprimento do Cano: 750 mm
Ângulo de Elevação: 45º à 75º
Ângulo Transversal: 12º
Velocidade de Projétil: 200 m/s
Alcance: 540 m (Efetivo) - 970 m (Máximo)

Flammenwerfer

Bundesarchiv_BilBundesarchiv_Bild_183-R22888%2C_Westfront%2C_Flammenwerferflammenwerfer

O Flammenwerfer (Lança-Chamas) causou terror aos soldados franceses e britânicos, quando utilizado pelo exército alemão durante as fases iniciais da Primeira Guerra Mundial. O exército alemão testou dois modelos de lança-chamas: um grande  e um pequeno, ambos desenvolvidos por Richard Fiedler. O menor e mais leve, chamado de Kleinflammenwerfer, foi projetado para uso portátil; era composto por duas seções: o tubo de queima e o tanque de combustível. Seu acionamento se dava usando o ar comprimido e dióxido de carbono ou nitrogênio sendo expelido diante de um fluxo de óleo queimado com um alcance de 18 metros. O segundo, maior, chamado de Grossflammenwerfer, trabalhou na mesma linha, mas não foi adequado para o transporte pessoal, era uma unidade estacionária e seu alcance máximo era o dobro do modelo menor, podendo sustentar suas chamas por, até, quarenta segundos. Seu uso inicial de guerra foi contra os franceses no setor sudeste da Frente Ocidental de outubro de 1914. O Flammenwerfer tendia a ser utilizado em grupos de seis durante a batalha, cada um com uma guarnição de dois homens - um carregava o tanque de combustível preso as suas costas enquanto que o outro era responsável por operar a mangueira direcionando o fluxo das chamas. Foram usados principalmente para eliminar a linha de frente dos defensores durante o início de um ataque alemão, precedendo seus colegas de infantaria. Combinado com a velocidade e ferocidade dos Sturmtruppen tornou-se uma arma extremamente eficaz. Os soldados que operavam os Flammenwerfer, além da preocupação de lidar com o dispositivo - que era perfeitamente possível que o cilindro com o combustível pudesse explodir de forma inesperada - eram logo marcados como alvo principal dos inimigos e não poderiam esperar nenhuma clemência se caíssem como prisioneiros. Sua expectativa de vida era, portanto, de curta duração. O lança-chamas, além de uma arma eficaz fisicamente, também foi uma excelente arma psicológica devido ao pânico causado nos soldados.

MG08

Maschinengewehr_08_1MG08mg08mg08 _b

A Maschinengewehr-08 foi a metralhadora padrão do Exército Alemão durante a Guerra. Sendo uma cópia quase idêntica da metralhadora inventada por Hiram Maxim, em 1884, a MG08 é também conhecida por Maxim Alemã e Maxim MG08. Foi produzida pela Deutsche Waffen und Munitionsfabriken em Berlim e pelo Arsenal do Estado em Spandau, por isso também são conhecidas por DWM MG08 e Spandau MG08. Podia atingir uma cadência de tiro de 400 p/min, usando cintas de tecido, cada uma com 250 cartuchos de 7,92 mm. O fogo sustentado podia produzir-lhe um superaquecimento, que era minorizado através do arrefecimento a líquido, usando uma mangueira que envolvia o cano e que continha cerca de 4,5 litros de água. Montada em um tripé, era transportada em carros ou, em combate, nos ombros dos militares como se fosse uma maca. No início da guerra já estavam disponíveis nas unidades de combate cerca de 12.000 MG08, com 200 unidades produzidas por mês. À medida que a guerra avançava, a produção foi aumentada para 3.000 armas por mês, em 1916, e 14.400 por mês em 1917. Depois de desenvolvidas as suas variantes mais ligeiras, a MG08 original, passou a ser designada sMG08 (Schwere Maschinengewehr 08 - Metralhadora pesada 08). Tem a fama de ser a arma que matou mais pessoas em toda a história; certamente foi a arma mais mortífera da primeira Guerra Mundial. Fabricada em grandes quantidades e usadas amplamente pelo exército Alemão, sendo sua metralhadora padrão durante todo o conflito. Tinha apenas o inconveniente de ser bastante pesada o que dificultava seu deslocamento. Também foi utilizada como arma anti-aérea.

Peso: 69 kg (c/ água)
Alcance Efetivo: 2.000 m
Alcance Máximo: 3.658 m
Velocidade do Projétil: 815 m/s
Comprimento: 1.190 mm
Comprimento do Cano: 721 mm

Renault FT17

FT-17-argonne-1918 800px-3c15011uft17_1033

O Renault FT 17, Automitrailleuse à Chenille Renault FT 1917 Modéle, era um tanque francês leve com design moderno, que está entre os projetos de tanque mais revolucionários e influentes da história. Seu projeto foi desenvolvido por Louis Renault e sua equipe, em especial o talentoso projetista Rodolphe Ernst-Metzmaier, surgindo uma extraordinária máquina que foi estudada, fabricada em série e posta em serviço com uma incrível rapidez. Os ensaios de testes com os protótipos começaram em abril de 1917, cinco meses após seus desenhos terem sidos elaborados. Seu batismo de fogo se deu em 31 de maio de 1918 e seu emprego em massa ocorreu em 18 de julho, quando o General Mangin lançou uma grande ofensiva em Villers-Cotterêts, com 300 carros de combate Renault FT-17 apoiados por 600 aviões, sem preparação de fogo de artilharia, sendo uma das primeiras ofensivas vitoriosas que culminaram com a derrocada alemã em 11 de novembro de 1918, confirmando desta forma a importância que os carros de combate teriam nos combates futuros. Um general alemão chegou a afirmar que a derrota das tropas alemãs na frente ocidental se deveu ao "general tanque". Foi um carro revolucionário por: ser o primeiro tanque a possuir uma torre com giro de 360º, que era armada com um canhão Puteaux de 37mm ou uma metralhadora Hotchkiss de 7,92mm, ter uma arquitetura de construção com o motor na parte traseira, torre central, sistema de direção à frente e fabricado com técnicas de produção em série. Até o final da guerra estima-se que foram produzidas 4.000 unidades; destas, foram entregues ao Exército Francês 3.177, ao Exército Americano 514 e 03 unidades para o Exército Italiano. A produção foi repartida entre diversos construtores como: Berliet, Delaunay-Belleville, Renault, Somua e Fichet (esta última uma fabricante de cofres).

CARACTERÍSTICAS:
Comprimento: 4,95 m
Altura: 2,13 m
Largura: 1,73 m
Peso: 6.700 kg
Blindagem: 6-22 mm
Tripulação: 02 - Comandante e Motorista
Motor: Renault 4 cilindros, 35hp
Velocidade Máxima: 8 km/h
Autonomia: 65 km

domingo, 16 de maio de 2010

Granatenwerfer 16

GW O 5gran1916eaa90ded55711f4ffff8270ac14422eeaa90ded55711f4ffff8274ac14422e

Implantado nas companhias de Infantaria Alemã,  o Granatenwerfer 16 era uma arma  extremamente eficaz contra as posições de trincheira, postos de sentinela, metralhadoras, apoio de incursões de assalto, e outros alvos de infantaria. Rapidamente se tornou muito popular entre as tropas alemãs, porque foi capaz de lançar uma granada muito mais longe do que poderia ser lançada com a mão. Pesando 38,1 quilos, o Granatenwerfer 16  jogava  sua granada padrão de 1,9 quilo a uma distância de até 460 metros. A faixa de distância podia ser ajustada pela variação do ângulo de tiro, com 85 graus sendo a elevação máxima e 14 graus a mínima. Era possível obter uma cadência de tiro de 250-300 por minuto. Existiam variantes nas granadas usadas, sendo a mais utilizada a de fragmentação. Esta granada, quando do seu impacto, incendiava uma pequena quantidade de pólvora impulsionando a granada para cima, então a granada explode e espalha seus estilhaços aumentando seu efeito mortal. Eram usadas granadas para envio mensagens e também pequenos foguetes. Os soldados franceses apelidaram estas granadas de “pombos” devido a seu som característico quando caiam.

sábado, 15 de maio de 2010

Trench Clubs

german-allied-clubpost-156-1200474996spiky_trench_club_full_view_470

Armas manuais, neste caso porretes, utilizados por soldados de todos Exércitos envolvidos na guerra de trincheiras. Usados principalmente a noite durante nas incursões as trincheiras inimigas para captura de inimigos que seriam interrogados para obter informações. Também usados, com letalidade, quando o combate se dava mano-a-mano dentro das trincheiras. Geralmente eram feitos de madeira e com alguma coisa incrustada em sua extremidade: pontas de ferro, pedaços de chumbo, pregos,  etc.

Perino M1908

perrino machine gun mit9

Projetada em 1901 por Giuseppe Perino foi a primeira arma automática de design Italiano e ainda hoje admirada por suas muitas características avançadas.  Na foto acima o soldado Italiano está a usando sem o tripé que acredito ser apenas figuração, pois usá-la desta maneira é praticamente  impraticável. Um de seus defeitos era sua cinta de alimentação que devia ter seus cartuchos disparados retirados manualmente e depois novamente carregada com novos. Apesar de sua boa qualidade foram usadas em quantidades limitadas pelo exército Italiano.

Calibre: 6,5 mm
Peso: 17 kg
Cadência de Tiro: 450 p/min
Alimentação: Cinta ou Tira de Metal c/ 25 cartuchos

domingo, 9 de maio de 2010

Steyr-Mannlicher M1895

 steyrmanlincher800px-1672_-_Salzburg_-_Festung_Hohensalzburg_-_Repetierstutzen_M95-30_wsb_774x871_AustrainM90andM95rifles   

Desenhada pelo austríaco Ferdinand Ritter Vonn Mannlicher, foi utilizada pelo Exército Austro-húngaro. Mais de 3 milhões destas armas foram fabricadas no período de 1895 à 1918 pela fábrica Steyr-Mannlicher. Eram considerados consideravelmente fortes e precisos e com uma alta cadência de fogo; porém  sensíveis a lama e sujeira, ambiente que imperava nos campos de batalha da Europa.

Calibre: 8 mm
Peso: 3,80 kg - M95/30: 3,36 kg
Comprimento:1.272 mm - M95/30: 1.000 mm
Comprimento Cano: 765 mm - M95/30: 480 mm
Alimentação: Clip com 5 cartuchos

Rumpler C1

rumpler_c1 Rumpler-C1_i23-rumpler-c-1

Monomotor Alemão biplano com dois lugares (piloto e observador/artilheiro) fabricado de 1915 à 1917 com design de Eduard Rumpler. O Rumpler C1 entrou em serviço à partir de 1915 participando ativamente das operações até o final do conflito em 1918. Utilizado na Frente Ocidental, Frente Oriental, Balcãs e Palestina. Sua função era a de reconhecimento e apoio as tropas terrestres, como também para treinamento de novos pilotos.

CARACTERÍSTICAS:
Motor: Mercedes D.III, 160hp e Opel As.III Argus, 180hp
Comprimento: 7,85 m
Altura: 3,07 m
Envergadura: 12,15 m
Peso: 793 kg
Velocidade Máxima: 152 km/h
Autonomia: 600 km
Teto: 5.050 m
Armamento: 02 Metralhadoras de 7,92mm (piloto e observador) e 10 x 10kg de bombas

sábado, 8 de maio de 2010

SMS Moltke

800px-SMS_Moltke_Hampton_Roads_1912_FINALPhotoWW1-02bcGerMoltkeMQ 800px-SMS_Moltke_Visiting_New_York_1912

Foi o navio líder da classe homônima de cruzadores de batalha da Marinha Imperial Alemã (além dele foi construído SMS Goeben), batizado em homenagem ao Marechal de Campo Helmuth Von Moltke, chefe do Estado Maior Prussiano nos meados do século XIX. Sua construção foi realizada pelo estaleiro Blohm & Voss em Hamburgo no período de 07/12/1908 à 07/04/2010. Comparado com seus rivais Britânicos da classe Idefatigable, o Moltke era significativamente maior e mais protegido. Participou da maioria das incursões navais conduzidas pela Marinha Imperial Alemã durante a guerra, inclusive na batalhas de Dogger Bank, Jutlândia, Golfo de Riga e da Operação Álbion no Mar Báltico. Participou também em operações de bombardeamento da costa Inglesa contra as cidades de: Yarmouth, Scarborough, Hartlepool e Whitby.O Moltke foi danificado várias vezes durante a guerra: recebeu tiros de grosso calibre na batalha da Jutlândia e foi torpedeado duas vezes pelos submarinos britânicos enquanto avançava com a frota Alemã. Ao final da Guerra o navio foi confinado em Scapa Flow enquanto aguardava a decisão dos Aliados sobre o destino da frota alemã. Em 21 de junho de 1919, o contra-almirante Ludwig von Reuter ordenou o afundamento de toda a frota, temendo que os navios alemães cairiam nas mãos dos britânicos após a assinatura do Tratado de Versalhes.

CARACTERÍSTICAS:
Tripulação: 43 Oficiais + 1.010 Marinheiros
Comprimento: 186,60 m
Largura: 29,50 m
Calado: 9,19 m
Velocidade Máxima: 52 km/h
Autonomia: 4.120 milhas náuticas

Propulsão: Dois eixos com 04 hélices de 3,74m cada, impulsionadas por turbinas à vapor Parsons c/ 52.000 hp que eram alimentadas por 24 caldeiras.

Armamento: 10 Canhões de 280mm em cinco torres gêmeas, 12 canhões de 155mm, 12 canhões de 88mm e 04 tubos de torpedo.

Blindagem: 270mm no casco lateral, 50mm no deck, 150mm nas casamatas, 80-350mm nas torres.

domingo, 2 de maio de 2010

Schwarlose MG M07/12

Schwarzhmg_schwarzlose22 300px-MG_07_12_for_AA_fire

Desenhada por  Wilhelm Andreas Schwarzlose na Alemanha, em 1902, teve seus direitos de fabricação comprados pela fábrica Austríaca Steyr  em 1905. O Império Austro-Húngaro, Infantaria e Cavalaria, a adotou em 1907, o resto das forças armadas em 1914. Foi a metralhadora padrão das forças armadas Austro-húngaras durante o conflito. Sua operação era feita por 03 soldados: comandante, geralmente um suboficial, um artilheiro que também era responsável por carregar a arma e um terceiro soldado responsável pala munição e o tripé. Além de uma arma de campo também foi utilizada em navios e como arma-antiaérea, como na imagem, que foi montada em uma roda de carroça para que pudesse atirar em qualquer direção. Seu sistema de ação era o de “recuo livre retardado” que limitava seu alcance efetivo a 1.000 metros, pois, com esse sistema, seu cano era mais curto que suas similares. Era possível utilizar em sua câmara projéteis de calibre 7,92 mm (Alemão) e 6,5 mm (Holandês).

Calibre: 8 mm
Peso: 22,40 kg
Comprimento: 1.070 mm
Comprimento Cano: 525 mm
Cadência de Tiro: 400-580 p/min
Velocidade do Projétil: 618 m/s
Alcance Máximo: 4.000 m
Alimentação: Cinto Têxtil com 250 cartuchos